Mandetta admite dificuldade para comprar testes e avisa: não vai ter para todos

A plataforma está sendo “cristalizada' pelo governo, de acordo com o ministro.

| AGêNCIA ESTADO


Curta nossa Fan Page e fique por dentro de tudo que acontece em Itaporã, Região, Brasil e Mundo!

O Ministério da Saúde anunciou a chegada de 500 mil testes rápidos importados nesta segunda-feira, 30, para detectar o novo coronavírus. A demanda da pasta, no entanto, é muito maior: 22,9 milhões entre os dois tipos de testes encomendados.

 Em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, o chefe da pasta, Luiz Henrique Mandetta, admitiu que não haverá recursos para testes em “todo mundo” após ser questionado pelo Estadão/Broadcast Político sobre a disponibilidade de exames e os critérios de distribuição.

 Nesse contexto, o sistema público se prepara para realizar exames em pacientes graves, profissionais de saúde e de segurança e por amostragem em casos leves. O Brasil registra 4 579 casos confirmados da covid-19, transmitida pelo novo coronavírus. As mortes pela doença chegam a 159.

 Uma das dificuldades citadas pelas autoridades é justamente a subnotificação de casos, ou seja, o número pode ser muito maior considerando diagnósticos que deixaram de ser feitos no País. A dificuldade, de acordo com o ministério, é com a disponibilidade de testes nos países produtores, como China e Estados Unidos.

 “Há um desabastecimento global de insumos para produção dos testes, ou seja, acaba afetando a disponibilidade”, afirmou o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Wanderson de Oliveira, na coletiva realizada no Palácio do Planalto.

 A pasta encomendou dois tipos de testes: o RT-PCR, usado para diagnosticar a covid-19 em pacientes graves internados e por amostragem em casos leves em locais estratégicos do País. Esse exame é feito retirando uma secreção do nariz do paciente e pode identificar a doença já no começo dos sintomas. Para esses, o ministério espera receber 40 mil testes da Fiocruz até quarta-feira, 1.

 Outro teste, o chamado “teste rápido”, será feito em profissionais de saúde e de segurança para identificar se essas pessoas já tiveram coronavírus no passado e podem voltar ao trabalho. Esse diagnóstico serve para monitorar o avanço da doença no País e levantar a quantidade de pessoas que desenvolveram defesa no organismo ao vírus, segundo Mandetta. Mas só identifica o vírus a partir do sétimo dia do início dos sintomas. Para esse, a pasta espera ter a entrega de 1,5 milhão de testes por mês.

 Frente à falta de materiais para diagnóstico, o ministro chamou a atenção para a quantidade limitada de kits. “Não façam um ataque aos kits. Nós vamos comprar, já compramos, 5 milhões. Esse avião (hoje) está chegando com 500 mil. Na hora que dividir, vai dar um pouquinho para cada local”, disse Mandetta em uma fala direcionada às secretarias estaduais e municipais de Saúde.

 O ministro chegou a citar a realização dos testes como condição para estabelecimentos comerciais reabrirem. “O dono do restaurante vai ter que testar os seus funcionários antes para saber quem tem anticorpo”, declarou, sem detalhes.

 Para os secretários de saúde, Mandetta fez apelo por critérios para aplicação e protocolos definidos pela pasta. “Se falar ‘vamos fazer de todo mundo’, vai acabar o teste em um dia e vão falar ‘manda mais’. Não é assim que vai funcionar.” Outra possibilidade, declarou, é a realização de exames com resultados enviados por aplicativo. A plataforma está sendo “cristalizada” pelo governo, de acordo com o ministro.

Agência Estado



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE