'Tenho pessoas negras que cortam meu cabelo', diz torcedor que fez ataques racistas contra segurança

Segurança disse que viveu a situação mais delicada de sua carreira

| TOP MíDIA NEWS/WILLIAN LEITE


Crédito: Divulgação

Os irmãos Adrierre Siqueira da Silva e Natan Siqueira Silva, foram ouvidos pela polícia, no Departamento de operações Especiais da região da Pampulha, na Capital Mineira, após serem acusados de injuria racial, por um segurança que trabalhava em um jogo no estádio do Mineirão, no último domingo (12).

Em depoimento os dois se disseram arrependidos e que ataques racistas não fazem parte da índole dos irmãos.

'De forma alguma, tanto é que eu tenho irmão negro, tenho pessoas que cortam o meu cabelo que são negros', afirmou Natan que negou ter chamado o segurança de macaco.

“Isso não foi da minha índole, pelo contrário. A forma que está circulando nas redes sociais, na imprensa, que eu dirigi a palavra a ele de ‘macaco’, de forma alguma eu falei aquilo. A palavra direcionada foi ‘palhaço’ e não ‘macaco’”, disse.

Adrierre, por sua vez, que cuspiu no segurança e em seguida gritou: “Olha sua cor!”, disse que estava 'exaltado'. “Estava com os ânimos exaltados na hora do jogo e quero pedir perdão a ele, por todos os insultos que eu fiz, pelo cuspe que eu proferi. Aquilo não é da minha índole”, afirmou. Ambos disseram que querem se encontrar com o segurança para pedirem desculpas.

O segurança disse que viveu a situação mais delicada de sua carreira. 'Foi triste, foi pesado demais. 'Olha sua cor, não põe a mão em mim'. Então, pela minha cor, eu sou inferior a outro ser humano?', questionou.

'Tenho pessoas negras que cortam meu cabelo', diz torcedor que fez ataques racistas contra segurança



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE