Com risco de epidemia de dengue, Sidrolândia terá grande ação de combate ao mosquito transmissor

Trabalho será iniciado na segunda-feira (04/02) devendo alcançar 100% dos imóveis na cidade. Já são 8 casos de dengue e 1 de chikungunya

| ASSESSORIA


Com risco de epidemia de dengue, Sidrolândia terá grande ação de combate ao mosquito transmissor

A Prefeitura de Sidrolândia através da Secretaria Municipal de Saúde, com o Comitê Municipal de Combate à Dengue, promoveu reuniões nesta semana com o intuito de traçar uma estratégia eficiente para eliminar focos do mosquito aedes aegypti na área urbana.

Do dia 1º de janeiro até esta quarta-feira (30/01), o Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação) registra 183 casos notificados de dengue em Sidrolândia, e revela 8 confirmações da doença – 3 por exame laboratorial e outras 5 por método clínico-epidemiológico.

Quadro pode ser ainda mais grave

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, no Sinan constam somente os dados relacionados ao atendimento e acompanhamento de pacientes pela Rede Pública e Laboratório Central (Lacen).

Não entram nesta estatística os pacientes que são internados, consultam e passam por exames em hospitais, clínicas e laboratórios particulares.

Desta forma, é possível que em Sidrolândia, assim como em outros municípios, haja um número bem maior de casos confirmados de dengue.

Primeiro caso de chikungunya

Este é o caso de um paciente, que foi transferido para o Hospital da Cassems em Campo Grande. Ele revelou à equipe da Secretaria de Saúde que o exame realizado na unidade da Capital atestou que ele contraiu chikungunya, sendo este o primeiro caso no município de Sidrolândia, mas que não foi contabilizado oficialmente por não ter passado pelo acompanhamento da Rede Pública de Saúde.

Grande ação de combate ao mosquito

O Comitê de Combate à Dengue se reuniu na segunda e terça-feira para traçar a estratégia de atuação na cidade, e nesta quarta-feira (30) fez a apresentação à imprensa local.

A cidade foi dividida em três setores, e uma força-tarefa composta por Agentes Comunitários de Saúde, Agentes de Vigilância Epidemiológica, e reforço de garis visitará todos os imóveis para retirar os depósitos pequenos e revirar os maiores (recipientes que acumulem água e sirvam de criadouro para o aedes). Os moradores auxiliarão neste trabalho em suas residências.

A 8ª Companhia Independente de Polícia Militar disponibilizará um efetivo para dar suporte aos agentes durante a abordagem às casas.

A Secretaria de Infraestrutura destinará uma equipe para dar apoio à ação na retirada dos depósitos.

O primeiro setor está no Grande Bairro São Bento, desde os trilhos até o final dos bairros Campina Ipacaray, Sidrolar, Jardim Paraíso e Diva Nantes. Os trabalhos se concentrarão na segunda-feira (04/02).

No dia seguinte, será a vez do setor onde estão parte do Centro, Pé de Cedro, Morada da Serra, Petrópolis, Vila Tereré, Aldeia Tereré, Jandaia, Cascatinha.

E o terceiro setor será atendido na quarta-feira (06/02), com a segunda parte do Centro, Jardim do Sul, Alfa, Santa Marta, Jardim das Paineiras, Sol Nascente, Olenka, Porto Seguro, Carinhosa.

População precisa participar: 90% dos focos nas casas

Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti (LIRAa) realizado recentemente, revelou que o índice em Sidrolândia estava em 2,84%, quando o aceitável pelo Ministério da Saúde é 1%.

Outro resultado que deixa a cidade em alerta para um risco iminente de epidemia, é que 90% dos focos do mosquito se concentram nas residências, e apenas 10% em lixo ou entulhos nas ruas.

É com a confirmação por estes dados que o Poder Público aposta na sensibilização da população de Sidrolândia para o combate eficiente ao vetor. Sem o envolvimento efetivo dos munícipes, colaborando com as equipes de Saúde e fiscalizando diariamente o quintal, o interior do imóvel e os terrenos baldios de que são proprietários, não haverá o êxito da ação.

Imóveis que estiverem fechados

Os endereços que estiverem fechados durante a mobilização da próxima semana, serão anotados para o retorno das equipes à residência, e se houver a necessidade, o Ministério Público será acionado para permitir a entrada dos servidores para a verificação.  



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE