Sejusp foca combate ao 'tráfico doméstico' e quer reforço do policiamento na fronteira

Tráfico de drogas resulta na incidência de diversos outros crimes em MS

| CORREIO DO ESTADO


Sejusp foca combate ao 'tráfico doméstico' e quer reforço do policiamento na fronteira

O secretário estadual de justiça e segurança pública de Mato Grosso do Sul, Antônio Carlos Videira, foi mantido após a reeleição do governador Reinaldo Azambuja. Ontem, durante posse do secretariado no Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo, em Campo Grande, disse que vai intensificar o tráfico doméstico e buscar parcerias, não só com o Governo Federal,  mas também com países vizinhos, para fortalecer a fiscalização na fronteira com serviços de inteligência.

O tráfico doméstico, explica Videira, é aquele cometido dentro dos municípios sul-mato-grossenses e que contribui para a incidência de outros crimes como roubos, furtos e homicídios. Tal modalidade é diferente do tráfico em grandes carregamentos operado pelo crime organizado e que usa o estado como rota para chegar à fronteira, onde a droga é adquirida e posteriormente comercializada em centros como São Paulo Rio de janeiro, por exemplo.

"Queremos manter aqueles projetos que já estão em andamento e que têm resultado na diminuição de índices de crimes contra a vida e crimes patrimoniais. Queremos focar muito no tráfico doméstico, pois ele fomenta outros crimes dentro de Mato Grosso do Sul. Mantendo o trabalho direcionado contra o tráfico, a gente também quer robustecer nossas fronteiras e divisas, fazendo uso de tecnologias e serviços de inteligência", explicou o secretário. 

Videira lembrou do projeto encaminhado pelo governador à Governo Federal que tem como principal característica o uso ferramentas tecnológicas que facilitam o trabalho policial. Como exemplo, citou o  Centro de Comando e Controle (C3), projeto inovador da Polícia Militar Rodoviária que utilizará câmeras e aplicativo para monitorar as principais rotas de drogas e descaminhos. "Além disso, vamos estreitar a relação com a Bolívia e o Paraguai, como forma de otimizar nossos recursos e também reduzir custos".

Crimes contra a vida, como o feminicídio, também estão na mira. "Outro foco é o feminicídio, principalmente por campanhas de conscientização dos autores de violência doméstica. Também vamos nos preocupar com a situação penitenciária, valorizando o servidor e dando oportunidade de ressocialização por meio do trabalho e estudo. Também queremos dinamizar as ações preventivas e judiciárias da polícia". Nesta manhã, o governador se reúne com o secretariado para traçar novas estratégias.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE