Tribunal Marítimo vai julgar acidente envolvendo assessor do governo de MS que causou morte de pescador

Corte da Marinha vai julgar caso após investigação de acidente no Rio Miranda

| MIDIAMAX


Carlos Américo Duarte (esquerda) morreu em colisão causada por Nivaldo Thiago Filho de Sousa (direita) - Montagem: Reprodução/Redes Sociais

O inquérito administrativo instaurado pela Marinha do Brasil sobre o acidente com morte no Rio Miranda, no último sábado (1º), em Mato Grosso do Sul, pode levar a processo no Tribunal Marítimo, órgão judicial da força armada. O suspeito de causar o acidente é Nivaldo Thiago Filho de Souza, ex-assessor do Governo do Estado e genro da deputada estadual Mara Caseiro (PSDB).

Em nota emitida na tarde desta segunda-feira (3), o Comando  do  6º  Distrito  Naval  (Com6ºDN) informou que, assim que soube do acidente, uma equipe se deslocou ao local e assim que confirmou a situação, deu prosseguimento na abertura da investigação.

“A apuração identificará as infrações  cometidas irão  compor processo  a  ser encaminhado  ao Tribunal  Marítimo  (TM), órgão responsável por julgar os acidentes e fatos da navegação, com jurisdição em todo o território nacional', diz o texto.

“O  TM por  sua vez julgará  o  acidente,  definindo a  sua natureza  e  determinando  as  suas causas,  circunstâncias  e  extensão,  indicando  os  responsáveis  e  aplicando punições  administrativas sobre a forma de multas, conforme estabelecidas  em lei, além de propor  medidas preventivas e de segurança da navegação', finaliza o Com6ºDN.

O Tribunal Marítimo tem jurisdição em todo o território nacional. A corte é composta por sete juízes, quatro deles civis. Diversos assuntos relativos à navegação podem ser julgados pelo TM, incluindo acidentes navais.

Após a morte do pescador Carlos Américo Duarte, de 59 anos, que ocorreu no sábado (1º), o acidente começou a ser divulgado, mas ainda sem detalhes de nome de envolvido e com informações com 'ares' de sigilo. Souza não teria documentação necessária para pilotar a embarcação e teria ingerido bebida alcoólica - no fim do domingo, a Polícia Civil confirmou que o autor é genro da líder do governo na Assembleia Legislativa.

Conforme boletim de ocorrência, o servidor estaria embriagado enquanto conduzia uma lancha, de forma imprudente, no momento em que, numa curva, atingiu a embarcação em que o pescador estava com o filho, no encontro dos rios Aquidauana e Miranda, região conhecida como Touro Morto. O local fica compreendido no município de Miranda, a 168 quilômetros de Campo Grande, onde o caso foi registrado.

De acordo com o relato do filho da vítima, após a colisão, Nivaldo jogou garrafas de bebidas no rio e fugiu em alta velocidade, fato que foi comprovado por uma testemunha. Ele acabou localizado pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) em uma camionete Hilux na BR-262, com a mulher e os filhos, que também estavam na embarcação.

Apesar de confessar que havia bebido, ele não quis fazer o teste de bafômetro, foi levado para a delegacia e ouvido, mas liberado. Foi apurado então que ele não tem o Arrais, documentação necessária para pilotar a embarcação, mas disse que era apto. Ele responderá pelo homicídio culposo e também por duas lesões corporais culposas, mas o caso segue em investigação. Tanto a Polícia Civil quando a Marinha fazem a perícia do caso.

Segundo a polícia, durante a fuga, a lancha de Nivaldo começou a afundar e a tripulação precisou ser socorrida. Dessa forma, ele sofreu lesão no braço esquerdo. Um vídeo também mostra o desespero dos pescadores minutos após o acidente. Nesta segunda-feira, a perícia deve iniciar os trabalhos nas embarcações e no local do acidente.


Envie sugestões de notícias para o WhatsApp do Canaldaqui (67) 98186-1999

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100010531782535

Clique aqui e receba notícias do Canaldaqui no seu WhatsApp!


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE