Comércio na fronteira será reaberto dia 29 após 6 meses de isolamento social

O governo do Paraguai decidiu nesta terça-feira (22/9), após exigência dos comerciantes

| /LIGADONANOTICIA


Curta nossa Fan Page e fique por dentro de tudo que acontece em Itaporã, Região, Brasil e Mundo!

Finalmente, após seis meses fechada por causa da pandemia da Covid-19, o governo do Paraguai decidiu nesta terça-feira (22/9), após exigência dos comerciantes, reabrir a fronteira entre o país vizinho e Mato Grosso do Sul, mais especificamente, em Ponta Porã e Pedro Juan Caballero.

A reabertura está prevista para acontecer na terça-feira que vem, dia 29.

Por meio de uma nota divulgada nas redes sociais, a Direção-Geral de Migração do Paraguai explicou que a abertura será parcial e temporária nas passagens da fronteira com o Brasil, com as diretrizes dos departamentos de Alto Paraná, Canindeyú e Amambay.

Segundo o Midiamax, a instituição disse que a abertura começará na modalidade teste, com a Ponte da Amizade, em Alto Paraná, durante as três primeiras semanas, permitindo a entrada e saída de nacionais, bem como de estrangeiros residentes e não-residentes no PY.

A Direção-Geral de Migração do país disse ainda que a permanência da decisão dependerá de como os moradores se portarão diante da liberação, respeitando os protocolos de saúde.

O Governo providenciará que o fluxo de pessoas visitantes seja das 5h00 às 14h e que o horário para a saída do território seja a partir das 18h. Os turistas que entram no país não poderão se deslocar para outros departamentos – equivalentes a Estados no Brasil.

Desempregados

O protesto de hoje pode ser um dos maiores da história da cidade e reuniu milhares de pessoas na ruas de Pedro Juan. Além de comerciantes, a manifestação aglutina funcionários demitidos e moradores das duas cidades

Em conversa com a reportagem do Jornal Midiamax, o presidente da Câmara de Comércio de Pedro Juan Caballero, um dos organizadores deste movimento que tomou as ruas da cidade, confirmou que ao longo da pandemia, mais de 5 mil pessoas já tinham sido demitidas. Com anúncio de fechamento das três lojas do Maxi Supermercados e também do Fortis, esse número pode passar de 6 mil, explicou Victor.

ligadonanoticia



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE