Estudante morre após procedimento estético em clínica clandestina na fronteira

Ela chegou a ser internada no Hospital Regional de Ponta Porã com complicações pulmonares graves

| MIDIAMAX


Sheiza era do Mato Grosso e estudava estética. (Foto: Reprodução/ Redes sociais)

Sheiza Ayala , de 22 anos,  uma estudante do Mato Grosso,   morreu após se submeter a procedimento estético em  clínica clandestina de Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia que faz fronteira com Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul. Ela chegou a ser internada no Hospital Regional de Ponta Porã, mas chegou à unidade brasileira em estado grave e não resistiu.

Segundo informações até agora apuradas pela polícia, Sheiza foi até a clínica no sábado, dia 12 de setembro, onde supostamente passou por procedimento para aplicação de hidrogel. O produto é usado para preenchimento e aumento de volume em regiões como glúteos e  coxas.

No domingo a estudante , que cursava estética desde o início do ano,  começou a passar mal e foi internada. Conforme apurado pela reportagem, inicialmente a jovem foi levada para unidade hospitalar do lado paraguaio da fronteira, mas a gravidade em seu estado de saúde fez com que fosse transferida para o Hospital Regional de Ponta Porã já em estado grave. Sua morte foi confirmada nesta quinta-feira.

Operação no RJ pode marcar ‘falência’ do CV e mudar guerra com PCC pela fronteira em MS

Polícia paraguaia investiga ligação de empresário executado na  fronteira com casa de câmbio

Sheiza deu entrada na unidade com hemorragia e complicações pulmonares graves. A médica responsável pela aplicação ilegal do produto seria especializada em obstetrícia. Ainda conforme os sites locais, logo após a morte da jovem, conversas entre as duas foram divulgadas nas redes sociais.

Nas mensagens, a vítima conta a médica que passou mal, mas em resposta ouve que estava com crise de ansiedade e que deve descansar.

Amigos e familiares usaram as redes sociais para lamentar a morte da jovem. No perfil do Facebook, o pai da menina compartilhou uma foto da filha com uma única frase: “Gente, me desculpe não tenho palavra”.

A morte também foi comunicada no Instagram de Sheiza. “É com muito pesar que comunicamos o falecimento da nossa prinsheiza. Que ela descanse em paz”. Mais de 6 mil pessoas seguem o perfil na rede social, que também atuava como influencer digital.

Só agiu no período eleitoral? Conte de novo…

STF manda tenente-coronel da PMMS envolvido na ‘Máfia do Cigarro’ voltar à prisão

Não foi dessa vez: reabertura do Paraguai após covid-19 não inclui cidades de fronteira com MS



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE