Quarta, 24 de janeiro de 201824/1/2018
(67) 98186-1999
Muito nublado
23º
23º
32º
Sidrolandia - MS
Erro ao processar!
ECONOMIA
justiça Federal transfere investigação da 'Ouro de Ofir' para Justiça Estadual
Juiz afirma que golpes não causaram prejuízo à União
Aparecido Francisco Mato Grosso do Sul - MS
Postada em 03/01/2018 ás 21h48
justiça Federal transfere investigação da 'Ouro de Ofir' para Justiça Estadual

Buscas da Polícia Federal e Receita Federal na empresa Company, em novembro de 2017

Processo de investigados na Operação Ouro de Ofir, desencadeada pela Polícia Federal em novembro do ano passado, ficará a cargo da Justiça Estadual e não mais da Justiça Federal. Em decisão do dia 22 de dezembro, juiz da 3ª Vara Federal afirma que os crimes cometidos pelo grupo não causaram prejuízos à União e, dessa forma, o processo não seria de competência federal.


Celso Eder Gonzaga de Araújo, Sidinei dos Anjos Peró e Anderson Flores de Araújo tiveram prisões preventivas decretadas por estelionato, falsidade ideológica e fraude no sistema financeiro.


Eles foram presos no dia 21 de novembro, durante a operação Ouro de Ofir. Ricardo Machado Neves, investigado pelos mesmos crimes, está foragido. Estima-se que o grupo tenha feito 25 mil vítimas no país. 


A organização criminosa se valia da falsa redistribuição de comissões das vendas de uma mina de ouro explorada há décadas, para induzir investimentos em dinheiro, oferecendo lucros de até 1.000%. Empresa responsável pelas negociações era a Company Consultoria empresarial Eireli, sediada em Campo Grande.


Ministério Público Federal se manifestou pelo arquivamento das investigações de falsidade ideológica e fraude no sistema financeiro, pugnando pela remessa dos autos à Justiça Estadual de Campo Grande, para apuração dos delitos remanescentes.


Juiz federal afirmou que durante as investigações não foram colhidos elementos que corroborassem a prática de delitos contra bens ou interesses da União ou de autarquias e fundações federais e as provas anexadas confirmam a conclusão do MPF, sendo acolhido o pleito para arquivamento das investigações.


Segundo o magistrado, “o não recolhimento do tributo federal, em época própria, revela-se como mero efeito secundário de possível crime de estelionato praticado em detrimento particular" e o julgamento de crimes de estelionato praticado mediante falsificação das guias de recolhimento das contribuições previdenciárias, quando não há lesão à autarquia federal, compete a Justiça Comum Estadual.


DECISÃO


“Assim, em face do arquivamento do presente apuratório quanto aos delitos contra o Sistema Financeiro Nacional, não havendo interesse da União quanto às investigações dos delitos remanescentes, declino da competência para o processamento e julgamento do feito e determinando o desmembramento dos autos, mediante extração de cópia integral, remetendo-se os autos desmembrados à Justiça Estadual de Campo Grande/MS”.


Agora, os autos serão analisados pelo Ministério Público Estadual (MPE), que pode ou não oferecer denúncia contra os criminosos, que continuam presos. 


ESQUEMA


A organização buscava lucro a partir da falsa existência de uma suposta mina de ouro cujos valores estariam sendo repatriados para o Brasil e cedidos, vendidos ou até mesmo doados a terceiros mediante pagamento. Foram inclusive detectados contratos de doação, mediante pagamento. 


Para demonstrar "legalidade", os investigados redigiam contratos  com base em “Escritura Pública Declaratória de Averbação de Direito de Crédito e Recebíveis EB-Protocolo nº 30.774/201 Livro: 694 Folha: 078”, tentando dar um viés de legalidade a um negócio tipicamente fraudulento. Apesar dos autores alegarem que os valores extratosféricos “transferidos” a terceiros, em contrato, serem oriundos de uma mina de ouro, nada disso encontra-se registrado ou respaldado com documentação legal. 

FONTE: Correio do Estado
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium