Segunda, 10 de dezembro de 2018
(67) 98186-1999 - [email protected]
Esportes

14/11/2018 ás 14h47

40

Aparecido Francisco

Mato Grosso do Sul / MS

O jogo deste domingo (11) terminou empatado em 2 a 2, na Bombonera. A finalíssima será dia 24 de novembro no Monumental
O futebol superou os casos polêmicos que se deram ao longo da competição, surgidos pela série de erros da Commebol
O jogo deste domingo (11) terminou empatado em 2 a 2, na Bombonera. A finalíssima será dia 24 de novembro no Monumental
SUPERCLÁSSICO ARGENTINO DECIDE LIBERTADORES 2018 Foto: MARCELO CARROLL

Uma certeza. Se o mundo, como se esperava, assistiu a este Boca-River, pode comrprovar que o futebol argentino e sul-americano gozam de excelente saúde. Essa é a primera imprensão, indubitavelmente, que fica desta primeira Superfina(chamada pelos hermanos) da Copa Libertadores. O futebol superou os casos polêmicos que se deram ao longo da competição, surgidos pela série de erros da Commebol. O jogo, todo-poderoso, fez esquecer completamente as contramarchas que ocorreram ao longo de um sábado atormentado pelos caprichos do tempo. Valeu a pena esperar que a tempestade passasse.


É claro que o gramado da Bombonera, que parecia pesado, mas impecável depois de suportar os mais de 130 milímetros de chuva que caíram nas últimas horas, não viu os números brilhantes que poderiam ser vistos na final da Liga dos Campeões. Entre os 28 jogadores que viram a ação pode não ser um que hoje poderia ser titular de uma equipe de topo da Europa. Mas isso não importava. A marca, o Boca-River, estava à altura das expectativas. Além dos altos e baixos, lógico para a tensão, era um espetáculo do mais alto nível. As duas equipes entregaram um show vibrante, furioso às vezes, o que deixou todos querendo ver a segunda apresentação no Monumental, no sábado 24. Nesse dia só será conhecido quem será o campeão da América, dono de todos os sorrisos.


Boca Juniors e River Plate fizeram uma partida digna daquela que foi tratada como a "a maior final de todos os tempos" e empataram em 2 a 2, no primeiro jogo da decisão da Copa Libertadores, na Bombonera.


Os visitantes foram mais incisivos na primeira etapa, mas o Boca saiu na frente com gol de Ramón Abila, ex-jogador do Cruzeiro, em chute de esquerda que contou com a colaboração do goleiro Armani. O River empatou com Lucas Pratto, ex-Atlético-MG e São Paulo, em bela finalização de pé direito.


O Boca voltou à frente com seu "amuleto" no torneio: Darío Benedetto, que decidiu a semifinal contra o Palmeiras, entrou no lugar do lesionado Pavón e marcou, de cabeça, o segundo do Boca. O River empatou na segunda etapa em dividida que terminou com gol contra de Izquierdóz. Os anfitriões ainda tiveram a bola do jogo no fim, quando Carlitos Tevez deixou Benedetto de frente para o gol, mas Armani evitou o terceiro do Boca.


A partida de volta acontece no Monumental de Núnez, no dia 24. Como não há a regra dos gols fora de casa, qualquer empate levará a decisão para os pênaltis


 


Roberto Xavier

FONTE: gazetams

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium