Segunda, 10 de dezembro de 2018
(67) 98186-1999 - [email protected]
Política

08/10/2018 ás 13h40

61

Aparecido Francisco

Mato Grosso do Sul / MS

Magoado com Lula, Ciro deve anunciar apoio crítico a Haddad
PDT pretende fechar um apoio protocolar, definindo que a sigla não ocupará cargos em um eventual governo e fará oposição independentemente de quem seja eleito
Magoado com Lula, Ciro deve anunciar apoio crítico a Haddad
Magoado com Lula, Ciro deve anunciar apoio crítico a Haddad

Magoado com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o candidato do PDT à sucessão presidencial, Ciro Gomes, deve anunciar um "apoio crítico" na próxima quarta-feira (10) ao seu adversário do PT, Fernando Haddad.


Em reunião da executiva nacional da sigla, que será realizada em Brasília, o partido pretende fechar um apoio protocolar, definindo que o partido não ocupará cargos em um eventual governo, não participará da coordenação da campanha e fará oposição independentemente de quem seja eleito.


A legenda irá também liberar seus filiados, não aplicando punições para quem prefira se manter neutro na disputa presidencial. A única retaliação que será adotada, com a expulsão da sigla, é sobre quem anunciar adesão à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL).


"O nosso apoio é mais contra o Bolsonaro do que a favor do PT. Até porque não podemos rasgar a nossa história", explicou o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi.


A candidata a vice-presidente do partido, senadora Kátia Abreu (PDT-TO), por exemplo, disse à reportagem no domingo (7) que não pretende apoiar nem Haddad nem Bolsonaro. "Essa guerra não vai terminar bem. Não quero participar disso", disse.


O apoio crítico deve-se ao ressentimento do partido com as articulações feitas por Lula para esvaziar a candidatura de Ciro. O PDT acusa o petista de ter atuado para impedir os apoios ao pedetista do PSB, que acabou neutro, e das siglas do centrão, que se aliaram a Geraldo Alckmin, do PSDB.


"O PT sempre foi muito desleal e a gente sempre foi muito leal com eles. Lealdade exige reciprocidade", explicou o líder do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE).


A não adesão a uma gestão petista também blinda a sigla de acusações de que ela atua por interesses fisiológicos.


Os termos do acordo foram discutidos nesta segunda-feira (8), na capital cearense. A ideia é lançar Ciro candidato a presidente em 2022 no dia seguinte ao anúncio do vencedor do pleito deste ano, programando uma agenda de viagens pelo país.


"Como a tendência é de termos um país dividido, independentemente de quem vença a eleição, Ciro se consolida como um nome de postura intermediária", disse Lupi.


No esforço de se conseguir o apoio do PDT, o PT já iniciou uma ofensiva sobre Ciro. Haddad telefonou na noite de domingo ao candidato, mesmo dia em que a presidente nacional do PT, Gleise Hoffmann, ligou para Lupi.


Nesta segunda, o ex-governador e senador eleito pela Bahia Jaques Wagner (PT) também deve entrar em contato com Cid Gomes (PDT), irmão de Ciro e senador eleito pelo Ceará. Cid é considerado um dos mais hábeis articuladores do PDT.


Em São Paulo, Ciro deve anunciar nesta semana apoio à reeleição do governador Márcio França (PSB). Com informações da Folhapress.

FONTE: Noticias ao minuto

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium