Quinta, 15 de novembro de 2018
(67) 98186-1999 - [email protected]
Polícia

03/05/2018 ás 10h39

202

Aparecido Francisco

Mato Grosso do Sul / MS

PF terá acesso às provas colhidas pelo Gaeco contra a Minerworld
Empresa foi alvo da operação Lucro Fácil por pirâmide financeira
PF terá acesso às provas colhidas pelo Gaeco contra a Minerworld
PF terá acesso às provas colhidas pelo Gaeco contra a Minerworld

A Superintendência Regional da Polícia Federal em Campo Grande terá acesso às provas colhidas contra a Minerworld, multinacional investigada pela prática de pirâmide financeira em todo o país. Especializada na suposta mineração de bitcoins (criptmoedas), a empresa localizada na Capital sul-mato-grossense foi um dos alvos principais da operação Lucro Fácil, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) no mês passado.


A assessoria de imprensa informou que a PF investe contra crimes que lesam o sistema financeiro, motivo pelo qual irá recorrer aos dados obtidos pelo Ministério Público Estadual (MPE) na operação, para apuração em inquérito específico. Por meio de ofício, o promotor Luiz Eduardo Lemos de Almeida, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, autorizou compartilhamento de informações e documentos apreendidos.


Com apoio das empresas Bit Pago e BitOfertas, a Minerworld teria feito pelo menos 50 mil vítimas em todo o país, conforme apurado pelo MPE. O juiz David de Oliveira Gomes Filho decretou o bloqueio de R$ 300 milhões em bens adquiridos pelas três empresas, bem como por sete pessoas investigadas. 


PIRÂMIDE


De acordo com os autos, o grupo encontrava dificuldade em mostrar, na prática, o produto que vendem. Em tese, era chamado de "mineração digital" de criptomoedas (feitas na China) por brasileiros que montaram uma empresa no Paraguai. Esta empresa já funciona há aproximados dois anos, mas apenas em 2018 teria começado a criar um parque de máquinas, para prestar o suposto serviço de mineração.


"É muito forte a suspeita de que não exista mineração alguma ou de que, se existir, ela é recente e insuficiente para honrar com os compromissos assumidos com os consumidores", lê-se no relatório do inquérito. Durante a operação Lucro Fácil, realizada no dia 17 de abril, foram cumpridos oito mandados de busca em apreensão em Campo Grande e São Paulo. 


OURO DE OFIR


Não é a primeira vez que a PF investe contra esquema envolvendo transações financeiras fraudulentas. Em novembro do ano passado, a Operação Ouro de Ofir culminou na prisão de Celso Éder Gonzaga de Araújo, gerente da empresa Company Consultoria Empresarial Eireli, localizada no Jardim São Francisco, na Capital, e usada para legitimar os golpes, juntamente com Anderson Flores de Araújo, Sidnei dos Anjos Peró e Ricardo Machado Neves


Eles coordenavam as operações SAP, abreviação para o nome de Peró, e Aumetal. A ação consistia em “típica fraude para burlar tanto o fisco federal como as supostas vítimas que acreditam estarem investindo num negócio lícito e devidamente declarado, com respaldo das autoridades federais de fiscalização”, consta no relatório policial. 



Os investidores aplicavam cotas a partir de R$ 1 mil e chegavam a assinar contratos falsificados, acreditando que futuramente receberiam milhões dos recursos repatriados de uma mina que existiu no século passado. O valor pago por eles na SAP e Aumetal, afirmavam os golpistas, seria apenas para cobrir despesas com o processo. Porém, quanto mais fosse investido, maior seria o benefício.

FONTE: Correio do Estado

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium